Angina de peito

Angina de peito

A angina de peito não é uma doença mas sim um conjunto de sintomas que ocorrem quando o fornecimento de sangue ao coração não é o suficiente. Nessa situação de falta de sangue o coração queixa-se através da dor.

Certos estímulos (esforços, emoções, refeições e frio) resultam num maior esforço do coração e numa necessidade de maior fluxo de sangue. Quando o fluxo de sangue não acompanha as exigências do coração o resultado é o aparecimento ou o agravamento dos sintomas. Tipicamente a dor da angina de peito reduz ou melhora quando o doente fica em repouso.

A causa mais frequente da angina de peito é a aterosclerose coronária onde há deposição de placas de gordura nos vasos sanguíneos o que limita o fluxo de sangue para o coração. Mas outras situações podem desencadear a angina. É o exemplo da anemia grave que pode reduzir o fornecimento de oxigénio ao músculo cardíaco e desencadear um episódio de dor.

São vários os fatores que podem fazer com que o doente desenvolva uma angina de peito, como por exemplo: níveis elevados de colesterol, tabagismo, pressão arterial elevada, diabetes, ansiedade, inatividade física ou valores altos de ácido úrico.


Diagnóstico

A angina é frequentemente diagnosticada apenas pelos seus sintomas. No entanto o médico poderá pedir a realização de um exame complementar chamado eletrocardiograma, que é um exame de medição da atividade elétrica do coração. 



Sintomas

O sintoma mais comum da angina é dor no peito. Essa dor pode ser referida a um ou ambos os ombros, à garganta, ao maxilar, ao pescoço, às costas ou aos braços. Habitualmente, a dor da angina dura apenas alguns minutos e aparece mais frequentemente durante o exercício físico, mas pode ser desencadeada por outras situações como ansiedade, emoções fortes como raiva ou excitação, temperaturas baixas ou vento, ou a ingestão de uma grande refeição. 

 

Outros sintomas incluem a falta de ar, sensação de asfixia, suores, má disposição ou exaustão. 

 

Muitas pessoas com angina têm apenas alguns destes sintomas, e em casos menos graves, poderão não sentir quaisquer sintomas.

 

Uma característica da angina de peito é que os sintomas diminuem quando o doente repousa (ou seja quando ele deixa de realizar a atividade que estava a fazer quando a dor iniciou.)





Tratamentos

A especialidade médica que se dedica ao acompanhamento e tratamento dos doentes com angina de peito é a cardiologia.

O tratamento que alivia de imediato a dor na angina de peito é a nitroglicerina e é para ser tomada apenas no momento da crise.

Doentes com uma angina ligeira ou moderada poderão beneficiar de medicamentos que alarguem as artérias como os nitratos, bloqueadores beta ou bloqueadores dos canais de cálcio.

Os doentes com uma angina grave poderão ter que se submeter a uma cirurgia para alargar as artérias (angioplastia) ou a um bypass coronário.

A angina de peito é sempre sinal de uma doença coronária que pode ser muito grave por isso as medicinas alternativas devem ser encaradas apenas como coadjuvantes do tratamento convencional. Entre as várias abordagens coadjuvantes temos:

  • Exercício físico (o objetivo é , de forma gradual, ir treinando o coração para bombear de forma mais eficaz).
  • Fitoterapia ( Indicada por existirem várias plantas com capacidade para aumentar o fluxo sanguíneo).
  • Meditação e ioga (ajuda os doentes a relaxar e a diminuir o stress).
  • Nutrição (é recomendado um regime alimentar equilibrado e rico em fibras e baixo em gorduras)
  • Shiatsu (a compressão sobre certos pontos do antebraço pode, segundo os técnicos, aliviar uma angina de peito).


Prevenção

Para manter o coração saudável e prevenir a angina de peito o ideal é manter estilos de vida saudável, manter o peso adequado, fazer exercício regular, uma dieta baixa em gorduras e não fumar. Deve reduzir o consumo de cafeína e bebidas alcoólicas.

Em alguns casos podem-se recomendar medicamentos para prevenir a angina como por exemplo:

  • Tomar uma pequena dose de aspirina todos os dias pode ajudar a evitar coágulos sanguíneos e reduz o risco de falta de fluxo sanguíneo no coração que poderia desencadear uma angina de peito ou mesmo um ataque cardíaco.
  • Em caso de colesterol elevado, podem ser receitadas Estatinas, um medicamento que ajuda a baixar o nível de colesterol no sangue e a tornar o desenvolvimento de sintomas de angina menos provável. 


As informaçðes e sugestðes contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas.