Candidiase vaginal

Candidiase vaginal

É uma infeção muito frequente nas mulheres e é causada por um fungo (Candida albicans) que habita normalmente na pele e nos intestinos sem provocar mal nenhum. Mas quando o pH da pele da vagina se altera (o que acontece com relativa naturalidade)  o fungo multiplica-se facilmente. É nessa situação que a doente se queixa de comichão e por vezes de corrimento, como consequência da presença de quantidades anormais de fungo na vagina e vulva.

Esta situação acontece frequentemente após a toma de antibióticos porque estes ao eliminarem as bactérias deixam mais espaço livre para os fungos se multiplicarem. É também frequente ocorrer em mulheres grávidas, nos momentos antes e depois da menstruação, em doenças que deprimem o sistema imunitário, no uso de corticosteróides ou em obesas.

 

Existem alguns hábitos que podem facilitar o aparecimento de uma candidíase vagina e são eles por exemplo:

  • Uso de anticoncecionais
  • Uso de roupa justa e de material sintético
  • Uso de pensos diários
  • Hábitos higiénicos inadequados (por exemplo a limpeza anal deve ser realizada no sentido da frente para trás e não o inverso para evitar contaminação da vagina pela flora anal)
  • Uso de sabonetes que desequilibrem o pH vaginal

Apesar de ser muito mais frequente nas mulheres a candidíase também pode ocorrer na pele do pénis nos homens.


Diagnóstico

A candidíase é uma doença facilmente diagnosticada pela própria doente. No entanto e apesar da candidíase vaginal poder ser autodiagnosticada e medicada pela própria doente em casa convém salvaguardar algumas situações em que deve ir ao médico tais como:

  • Não haver melhoria após 3 dias de tratamento com um antifúngico local
  • Não haver melhoria total ao fim de uma semana com um antifúngico local
  • Se for a primeira infeção vaginal ou se tiver menos de 12 anos.
  • Se as infeções aparecem com intervalos inferiores a 2 meses
  • Se estiver grávida
  • Se tiver algum sintoma atípico: corrimento com cheiro a peixe e/ou cor esverdeada, febre ou dores na parte inferior do abdómen.

O médico fará o diagnóstico baseado nas  queixas descritas pela doente e em certas situações poderá pedir para fazer exames complementares em que se faz a colheita do corrimento para análise e cultura no laboratório e colheita de sangue para analisar o sistema imune da doente.



Sintomas

O principal sintoma, e de longe o mais incomodativo, é a comichão. Outros sintomas são ardor, corrimento branco sem cheiro forte e dor durante as relações sexuais.  





Sinais

A pele da zona genital pode ficar com um aspeto vermelho, cor de carne viva e que eventualmente greta. Do interior da vagina pode aparecer uma substância aspeto leite coalhado, ou não apresentar nenhum sinal visível.



Tratamentos

Muitas vezes a mulher procura ajuda para se livrar dos sintomas externos, a comichão, mas é muito importante fazer um tratamento interno á vagina para evitar que os sintomas voltem a aparecer. 

O tratamento passa pelo uso de um antifúngico em pomada de uso vaginal. Poderão ser utilizados corticosteroides tópicos externamente para aliviar mais rapidamente o prurido. Em alguns casos o médico recomenda um antifúngico em comprimidos por via oral. Muitas vezes o tratamento é recomendado ao casal e em simultâneo.

Existem algumas alternativas a este tratamento convencional. Por exemplo, podem-se fazer banhos de assento numa solução de ácido bórico diluindo uma colher de chá de ácido bórico em um litro de água morna. Também a aromaterapia sugere tratamentos alternativos para a candidíase vaginal baseando-se na ação antifúngica dos óleos de alfazema, de tomilho e de árvore-do-chá.

 



Prevenção

Existem inúmeras formas de prevenir a ocorrência da candidíase vaginal. É fato constatado que a alimentação interfere no sistema imune da mulher pelo que a adoção de uma alimentação variada e equilibrada é uma importante medida de prevenção. 

Existem alimentos que favorecem o crescimento de fungos como por exemplo os açúcares, o fermento, lacticínios, trigo, cafeina, nicotina e álcool, e por isso estes alimentos devem ser ingeridos com precaução. Já a cebola, o leite e derivados ricos em acidófilos quando ingeridos em quantidade adequada podem ajudar a reduzir o crescimento dos fungos e por isso a melhorar ou a prevenir uma candidíase vaginal.

Outras medidas preventivas da candidíase vaginal são: 

  • Evitar os duches vaginais que alteram a acidez natural da vagina e podem causar inflamação e desenvolvimento da candidiase.
  • Evitar o uso de sabões com perfumes e preferir produtos específicos para a higiene intima
  • Evitar o uso de roupas apertadas e preferir roupas de algodão que permitam a transpiração.

Em situações de candidíase vaginal recorrente o médico poderá aconselhar a toma de um antifúngico (Fluconazol) 1x por semana. Mas é preciso ter cuidado pois há o risco de o fungo ganhar resistência contra os antifúngicos.

 



As informaçðes e sugestðes contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas.