Diabetes

Diabetes

A diabetes é uma doença crónica que se caracteriza pelo aumento dos níveis de açúcar (glicose) no sangue e pela incapacidade do organismo em transformar toda a glicose proveniente dos alimentos. À quantidade de glicose no sangue chama-se glicemia e quando esta aumenta diz-se que o doente está com hiperglicemia.

Esta alteração na capacidade de transformar a glicose está diretamente relacionada com a insulina produzida pelo pâncreas.  Na falta de insulina boa e na quantidade certa o açúcar que circula no corpo não é aproveitado e acumula-se no sangue. A hiperglicemia é um efeito comum da diabetes não controlada e com o tempo leva a sérios danos a muitos dos sistemas do corpo, nervos e vasos sanguíneos.

A diabetes é uma doença multifatorial em que a hereditariedade tem um peso muito importante. Contudo existem algumas doenças que levam ao aparecimento de alterações de valores da glicose no sangue sem serem verdadeiramente diabetes.

A principal preocupação da diabetes são as consequências e os danos para o organismo a longo prazo. Um diabético identificado precocemente e com os valores de glicemia bem controlados consegue ter uma boa qualidade de vida. Existem diferentes tipos de diabetes designadas pelos seguintes termos:

  • Diabetes insulino dependente.
  • Diabetes não insulino dependentes.
  • Diabetes gestacional.


Diagnóstico

A diabetes passa muitas vezes despercebida pois o individuo pode estar já com a doença mas sem sintomas.

O diagnóstico da diabetes poderá ser feito pelo médico de clinica geral ou outro sendo que o médico especialista da diabetes é o endocrinologista.

O diagnóstico da diabetes é feito através da análise e doseamento da glicose no sangue. Poderão ser pedidos outros parâmetros para avaliar as implicações da diabetes, o estado geral do organismo e risco de complicações, como por exemplo: hemoglobina glicosilada, hematócrito, colesterol e triglicerídeos.
Um exame importante e realizado no diagnóstico da diabetes é a Prova da Tolerância á Diabetes. Neste exame doseia-se a glicose no sangue em jejum. Depois o doente ingere uma bebida muito açucarada e 2 horas depois volta-se a dosear a glicose.



Sintomas

A diabetes pode não dar sintomas mas estar presente no organismo e ir danificando as células no corpo.
De uma maneira generalizada a sede excessiva, o aumento ou perda rápida de peso e os antecedentes familiares são alertas importantes para que o doente consulte o médico.
Os sintomas que surgem estão associados aos níveis de açúcar no sangue que podem estar altos (situação de hiperglicemia) ou baixos (situação de hipoglicemia).

Nas situações de hiperglicemia o doente poderá sentir:

  • Visão turva
  • Sensação de boca seca (xerostomia)
  • Sudação excessiva
  • Cansaço

Nas situações de hipoglicemia o doente pode sentir:  

  • Dificuldade em raciocinar
  • Sede constante e intensa (polidipsia)
  • Apetite incontrolável (polifagia)
  • Tremores
  • Palidez
  • Palpitações
  • E em casos extremos poderá sentir formigueiro nos lábios, convulsões, perda de consciência e coma.




Fases da doença

A diabetes pode passar por uma fase sem sintomas para depois se declarar e o doente facilmente se aperceber que está com diabetes e se ela está ou não controlada.



Tratamentos

A diabetes não tem cura mas pode ser controlada.
O objetivo principal do tratamento é controlar os níveis de glicemia. Se o doente os mantiver dentro de valores normais tem muito menor probabilidade de sofrer de complicações da diabetes. Assim, é importante vigiar os valores de glicemia fazendo as medições regularmente. Atualmente é bastante fácil fazer este controlo da glicemia a partir de casa. Os aparelhos têm dimensões reduzidas e são fáceis de utilizar.


Uma das prioridades para o diabético é melhorar os seus hábitos alimentares e perder peso. A medicação será um esforço em vão se o doente não se ajudar tendo cuidado com a alimentação.


O exercício físico faz parte do tratamento do diabético pois é uma forma eficaz de controlar os níveis de glicemia e de prevenir complicações da diabetes. Não é necessário tornar-se um atleta ou ir ao ginásio diariamente. Pode ser suficiente uma caminhada de meia hora diária.


A ingestão de açúcar deve ser limitado e muito controlada em especial a açúcares de absorção imediata como o açúcar branco.


Existe hoje em dia uma variedade grande de antidiabéticos orais que reduzem a absorção dos açúcares dos alimentos, alteram a sua metabolização pelo organismo ou estimulam a produção da insulina do próprio organismo. Para alguns doentes a única opção será a administração de insulina injetável e para outros é necessário a combinação dos tratamentos.


A fitoterapia fornece um complemento que não substitui nunca o tratamento médico mas que podem contribuir para o bem-estar do diabético. São exemplos o alho cru e a cebola cozinhada que ajudam a reduzir o nível de açucar no sangue, o chá de raiz de dente de leão que estimula o pâncreas a produzir insulina, o óleo de onagra rico em ácido gama-linolénico capaz de reduzir a sensação de picadas nos nervos afetados pela diabetes.


A aromaterapia sugere a utilização de óleos de eucalipto e limão que estimulam o pâncreas. Estes óleos são utilizados no banho.



Prevenção

A diabetes pode ser prevenida tendo hábitos alimentares equilibrados, praticando exercício físico e não se deixando engordar.



As informaçðes e sugestðes contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas.